O primeiro carro que chegou a Seattle em 1900 era elétrico

Em 23 de julho de 1900 um carro fez sua entrada em Seattle. Era o primeiro automóvel que fazia sua aparição na cidade e era… elétrico.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora que a pesquisa em carros elétricos está produzindo seus primeiros modelos comerciais coincidindo com o insuportável auge dos preços do petróleo e o aumento do efeito estufa produzido pelo uso massivo dos combustíveis fósseis, temos que lembrar que o carro elétrico foi o preferido no final do século XIX e princípios do XX.

Ralph S. Hopkins apareceu nas ruas de Seattle em seu novíssimo carro Woods Electric de 3 cavalos de vapor. Comprou o veículo em Chicago e conduziu até São Francisco. A aventura levou 5 meses. Em alguns dos trechos foi sobre um trem. Hopkins disse ter sido o primeiro homem em recorrer o continente em um carro à motor.

A Woods Motor Vehicle Company fabricou o carro em 1899 quando somente haviam 4.000 automóveis nos Estados Unidos e seguiu fabricando veículos elétricos até 1919.

 

 

 

 

 

 

Na verdade, o primeiro veículo elétrico data de 1838, uma locomotiva. Não foi até a aparição das baterias recarregáveis em 1880 quando começaram a ser produzidas em massa. Nos primeiros anos do século XX os carros elétricos eram maioria sobre os de vapor ou gasolina. Funcionavam razoavelmente bem, ainda que tivessem um problema: a autonomia. Não se podia conectar-se a cabos como os trólebus e não haviam estações de recarga. Em 1912 Henry Ford começou a fabricação em massa dos carros com gasolina e o uso do veículo elétrico decaiu.

Em 1899, um veículo de Camille Jenatzy realizou a proeza de bater a berreira dos 100 km/h, na verdade circulou a 105,88 km/h.

Logo veremos carros elétricos circularem de maneira regular por nossas estradas, carros cuja ideia inicial tem mais de cem anos.

Traduzido do site ALT1040.

Como conectar com uma base de dados Oracle sem instalar um Client Oracle

Normalmente trabalho com bancos de dados SQL Server, porém muitas vezes em nossos projetos necessitamos conectar à bancos de dados Oracle para acessar algumas informações. Para quem já teve essa experiência, sabe que instalar um Client Oracle não é lá uma das atividades das mais fáceis, sem falar que dependendo do Cliente pode consumir alguns GB do seu disco.

Buscando um pouco na net encontrei este interessante post que me ajudou muito, portanto decidi compartilhar, e traduzir!

Segue abaixo os passos para instalação e configuração, lembrando que no meu caso estou realizando sobre um ambiente windows.

1. Baixar da página da Oracle o pacote “instant client package”.
Link para download: http://www.oracle.com/technetwork/topics/winsoft-085727.html
Caso o link esteja desatualizado, pasta realizar a seguinte busca na página da Oracle: “instant client downloads for windows”.
É sempre interessante trabalhar na versão mais recente, no caso estou trabalhando com a versão 11.2.0.3.0. O pacote possui aproximadamente 50Mb.

2. Baixar da página da Oracle o pacote “instant client package – SQL*Plus”.
O pacote se encontra na mesma página indicada acima e é listado na mesma página do instant client package. O pacote possui aproximadamente 740Kb.

3 . Criar uma nova pasta na sua máquina. Ex: “C:\oracle”.

4. Extrair o conteúdo de ambos pacotes para a pasta criada.
Optei por extrair toda a pasta do arquivo rar para dentro da pasta Oracle, mantendo assim a estrutura interna do arquivo. Ambos pacotes possuem a mesma pasta. Caso apareça a mensagem de que já existe uma pasta com o mesmo nome, podem clicar em substituir, porque na verdade não haverá substituição de arquivos. Os arquivos de um pacote serão adicionados aos arquivos do outro pacote.

5. Entraremos agora na parte de configuração. Clique com o botão direito do mouse sobre o ícone do Meu Computador e depois em Propriedades.

6. Na aba Avançado, clique em Variáveis de ambiente.

7. Em Variáveis de usuário, adicione a variável TNS_ADMIN com o endereço da pasta criada no campo Valor, conforme exemplo abaixo.

8. Em Variáveis do sistema, edite a variável Path, acrescentando ao final do seu valor o mesmo endereço inserido no passo anterior. Lembrando que os valores desta variável devem estar separados pelo caracter “;”.

9. Ainda em Variáveis do sistema, criar a variável NLS_LANG com o seguinte valor: AMERICAN_AMERICA.WE8MSWIN1252. Esta variável trata das configurações regionais da conexão. Você pode tirar maiores dúvidas sobre estas configurações na página da Oracle.

10. Reinicie seu computador.

11. Instale sua ferramenta de desenvolvimento. No meu caso estou utilizando uma versão Trial do TOAD (a ferramenta de desenvolvimento Oracle mais utilizada no mundo). Apesar de algumas limitações, atendeu todas minhas necessidades.

12. Crie ou copie seu arquivo tnsnames.ora dentro da pasta de instalação do nosso cliente.

13. Finalmente ao executar o TOAD verá que na página de login, na área de “Installed Clients” já estará disponível nossa versão do “Instant Client”, e na caixa de TNS Database estarão listadas todas suas conexões configuradas no arquivo tnsnames.ora.

14. Entre com seu usuário e senha, e corra pro abraço!

Espero que este post seja útil! Um grande abraço!

Aplicações web mobile com gráficos em JavaScript com API do Google

Após a vitória do HTML5 na sua batalha contra o Adobe Flash e do funeral do nosso amigo Adobe Flex estive numa constante busca por boas ferramentas para desenvolvimento web, principalmente algo que nos traga a agilidade e produtividade que tínhamos com o Flex. Acredito que nem preciso citar que na atividade de criar gráficos o Flex era um lutador imbatível.

Mesmo com todas suas qualidades, o Flex ainda era dente de leite na categoria web mobile, que foi justamente uma das minhas últimas necessidades. Já a algum tempo tinha engavetado o projeto de criar uma versão mobile para nosso sistema e esta história de HTML5 acabou despertando a chama apagada.

Após comprar os livros “HTML5 – A linguagem de marcação que revolucionou a web” e principalmente “jQuery Mobile” começamos com nosso projeto. A princípio queria um desenvolvimento nativo. Até comecei a estudar o iOS, fiz um curso rápido de Android, mas quando o Windows Phone chegou forte percebi que seria muito trabalho pra uma equipe tão pequena aprender tantas linguagens. Então a decisão foi uma aplicação web, multiplataforma, que poderia atender todas nossas necessidades, visto que nosso sistema é basicamente um dashboard.

Nos surpreendemos com o jQuery Mobile, uma linguagem extremamente simples e poderosa. Sem falar do Codiqa, uma ferramenta fantástica para criar aplicações jQuery mobile com o nosso querido Drag & Drop.

Após definir nossa nova linguagem, veio o principal problema: “Qual componente usaríamos para criar os gráficos?” (aceito sugestões de possíveis componentes). Após um período de pesquisas encontramos alguns componentes gratuitos em javascript mas que possuiam poucas funcionalidades, encontramos alguns pagos porém não tínhamos orçamento para isso, e finalmente chegamos até o bom e velho Google Developers e descobrimos o Google Chart Tools API. Trata-se de uma API executada online que permite criar diversos tipos de gráficos, desde gráficos de Área, Barras, Linhas, até Gauges, Tabelas, Geográficos e Treemap.

Sua utilização é bastante simples. Basta incluir na sua página uma chamada ao arquivo javascript da página do google, criar seu conjunto de dados e executar os métodos correspondentes ao tipo de gráfico desejado, informando em qual div deverá ser criado o componente.

Os gráficos possuem diversas propriedades de customização e a documentação é bastante completa, o que ajuda em muito o trabalho. Porém sem dúvida nenhuma o que mais ajuda no desenvolvimento é o Google Code Playground, onde podemos simular e testar diversos componentes do Google realizando inclusive debug.

Nossa preocupação era apenas que assim como a API do Google Maps, esta também tivesse algum tipo de restrição como por exemplo na quantidade máxima diária de requisições. Porém verifiquei que este limite não existe, entretanto o Google se reserva o direito de bloquear o serviço em caso de uso indevido e abusivo. Bom, esperemos não ter problemas não é mesmo?

Posso afirmar que tem sido muito fácil utilizar estas ferramentas e nosso sistema está ficando ótimo. Já utilizamos gauges, gráficos de linha, área e colunas e até agora não tivemos nenhum problema quanto a desempenho.

Nos próximos post´s explicarei com maiores detalhes como utilizar a API e explicarei algumas customizações que aplicamos para conseguir alguns gráficos mais específicos.

Geek.etc.br – A nova casa dos Geeks e Nerds de São Paulo

Como diferenciar um Geek de um Nerd? Bom, esse é um tema que tem levantado muita discussão nos últimos anos. Mas o importante é que todos os amantes de tecnologia, jogos, ficção científica, quadrinhos e afins agora tem seu espaço próprio em são paulo. A nova loja Geek.etc.br. Inaugurada no último dia 25 em um dos mais ilustres pontos turísticos de São Paulo, o Conjunto Nacional da Avenida Paulista, a loja é na verdade mais um dos espaços exclusivos da Livraria Cultura, presente no edifíco desde a década de 70 e que a partir de 2007 passou a ocupar os espaços do antigo Cine Astor, sendo então considerada a maior livraria do país. Clique aqui para conhecer um pouco mais da exuberante história do Conjunto Nacional.

A abertura da loja foi marcada por muita gente, e claro, personagens geek. Nos corredores em frente a loja era enorme a movimentação de pessoas para tirar fotos com os bonecos dos irmãos Mario e do gorila Donkey Kong.

Na vitrine da loja os indícios de que estaríamos entrando num espaço único. Bonecos de Peter Pan, Senna e Marcus Fenix de Gears of Wars. No piso térreo estão os espaços para gamers, com uma área dedicada para cada plataforma com muitos títulos a venda, além de claro, todas os consoles para nossa degustação. Diversos acessórios completam este espaço completo para os amantes das artes digitais. Ah, claro que não poderia faltar a cereja do bolo, uma estátua em tamanho real do personagem principal de um dos maiores jogos dos últimos anos, Batman de Arkham City.

Subindo as escadas temos acesso ao piso um pouco mais exclusivo da loja, reservado aos livros, quadrinhos, dvd’s e blu-ray’s, colecionáveis, tabuleiros e afins. Realmente acho que faltou espaço para tantos itens mas até que ficou bem organizado. Primeiramente a plateleira com o melhor da ficção científica em filmes e séries, com um grande destaque para as temporadas da série original de Thundercats e Caverna do Dragão (esta mesma que não teve fim!).

Logo ao lado bonecos e mais bonecos, desde Star Wars, passando por tropas do exército americano, até Avatar de James Cameron. Alguns itens de dar inveja até mesmo para quem está totalmente alienado deste mundo fantástico de contos e histórias.

Do outro lado la loja um espaço reservado a jogos de tabuleiros e RPG e alguns produtos da já conhecida loja LinuxMall, onde é possível comprar de tudo como bonecos, canecas, capas de celular e incríveis camisetas como as usadas pelo atual astro do mundo Geek, Sheldon Cooper de Big Bang Theory.

Para finalizar o último espaço, reservado para livros e revistas em quadrinhos. Definitivamente é possível encontrar de tudo sobre o mundo dos super-heróis, desde as revistas que circulam com frequência, até itens mais exclusivos, como enciclopédias dos universos DC e Marvel, roteiros de histórias entre outros.

 

 

Tudo isso envolvido por uma excelente decoração e ótima atenção que são marcas registradas da Livraria Cultura. Tenho certeza que de hoje em diante teremos um motivo a mais para fazermos almoços mais rápidos e aproveitar um pouco melhor o nosso intervalo de cada dia!

 

 

 

P.S.: Para quem ouviu falar muito nos últimos dias do Instagram, principalmente depois que o nosso “amigão” Mark Zuckerberg resolveu gastar 1 bilhão de dólares nesse programinha, as fotos postadas aqui passaram por diversos filtros que podem ser aplicados por esse excelente aplicativo. Realmente esperamos que o facebook não estrague a nossa festa, os amantes amadores da fotografia.

Happy Hour sem cerveja na sexta da Campus Party

Como todos já sabem, não é permitida a entrada de bebidas alcoólicas na campus party. Mas isso não fez com que a motivação para esta enorme festa fosse menor. A sexta-feira como sempre começou preguiçosa mas aos poucos os campuseiros começaram a sair de seus esconderijos.

Começando o dia, um pouco do arroz com feijão nosso de cada dia. Adobe Flex, tecnologia que venho utilizando a alguns anos porém agora com foco no desenvolvimento mobile com a versão 4.6. Apresentação contou com o já conhecido no mercado flex Igor Costa, proprietário da RiaCycle. Ele apresentou as principais funcionalidades do Flex que suporta desenvolvimento para Android, iOS e BlackBerry. Porém como outros frameworks também apresentados aqui, para algumas coisas não existe milagre. Caso seja necessário algum desenvolvimento mais específico, como utilização de gps ou fotos por exemplo, se faz necessário um desenvolvimento nativo. Nem tudo é perfeito!

Ainda no palco desenvolvimento, foi a vez de um debato mediado pela Françoise Trapenard, diretora da Fundação Telefonica. O tema foi a Mobilidade Digital e educação: a escola para além de seus muros e contou com grandes nomes da educação e da mobilidade, como Juarez Silva da universidade federal de Santa Catarina, Eveline de Souza Erbele do projeto UCA do RIo Grande do Sul e Suintila Pedreira do projeto educação unipresente.

No palco principal aconteceu a primeira grande palestra do dia e com certeza o maior público da campus party. Os filhos da internet, com os principais nomes da atualidade na internet. Estiveram presentes Rafinha Bastos, PC Siqueira, Rodrigo Fernandes do sote Jacaré Banguela, Mauricio Cid do site Não Salvo e Rosana Hermann do site Querido Leitor. O riso rolou solto com todos estes nomes presentes no mesmo palco. Falaram sobre como foi o início na internet, como é lider com a fama, como tratar de temas polêmicos, mas sempre com bom humor.

Pela tarde na campus, mais uma vez no palco desenvolvimento, mais uma vez Igor Costa. Agora com a palestra de como ganhar dinheiro no mundo mobile. Falou da sua experiência no mercado de desenvolvimento, sobre as propriedades de cada plataforma e de como explorar cada uma da melhor maneira.

Voltando as atenções para o palco principal, três visitas ilustres. Para discutir o poder das mídias sociais os ativistas Charles Lencher, do Occupy Wall Street, Olmo Gálvez, da Acampada del Sol, e Leila Nachawati, blogueira sírio-espanhola que quebrou o silêncio midiático em torno da situação na Síria. Uma palestra muito comovente com os depoimentos de Leila sobre a repressão sofrida pelo povo sírio, assim como de Olmo sobre a situação econômica e social vivida na espanha.

Cloud Computing esteve fortemente presente na campus 2012. Na tarde rolou uma apresentação com Alexandre Jose da HP sobre o que realmente é cloud, como funciona uma implantação, como garantir sua segurança de informação, como migrar para uma estrutura em cloud e como essa estrutura pode ajudar no negócio de toda empresa.

A sexta estava cheia de surpresas e voltamos correndo pro palco principal para a palestra de Julien Fourgeaud, Product Manager da Rovio, empresa criadora do famoso jogo Angry Birds. Julien compartilhou com todos sua história de vida, de como saiu de uma pequena cidade, se mudou para Paris e Finlândia, entre outros locais, e mostrou como não existem limites para o que desejamos fazer. Toda sua apresentação foi feita enquanto ele ia retirando uma por uma das dezenas de camisetas que estava vestindo, camisetas estas que foram entregues por todas empresas e grupos que estão presentes aqui na campus.

Por hoje é isso pessoal! Agora aguardem o post do último dia!

Tunando na Campus Party

Modding é o termo adotado hoje para o tunning feito nos computadores, ou seja, a modificação para criar algo que seja pessoal, criativo e melhor que o original. Claro que isso não poderia ficar de fora do maior evento de tecnologia do mundo.

Aqui estão algumas de minhas fotos dos super computadores presentes aqui no Anhembi.

Engatando uma Quinta (feira) na Campus Party

Mais um dia começa na Campus. E esta é a imagem que ficou depois da agitadíssima noite. Após o café da manhã e uma volta pela arena, parecia que a galera estava começando a ficar sem forças. Parecia. Aos poucos a campus foi despertando e em poucos minutos as mesas estavam cheias de vida novamente.

 

 

 

 

A primeira palestra da manhã foi sobre o desenvolvimento de jogos para para mobile e pc com a tecnologia Unity. Para mim foi a palestra mais surpreendente até o momento pois fez com que eu rompesse a impressão de que o desenvolvimento de jogos era algo inalcançável. Em uma apresentação de apenas uma hora a meia o palestrante Thiago Bertoni criou um jogo completo no estilo shooter. O Unity mostrou ser muito simples e prático, além de gerar a aplicação para diversas plataformas.

Em seguida ainda no palco Desenvolvimento foi a vez de Wagner Palombo e Diego Araújo falaram sobre o desenvolvimento de aplicações nativas para iOS e Android utilizando tecnologia WEB. Apresentaram a plataforma Titanium que traz como meta o desenvolvimento rápido para as plataformas mobile apenas com programação web. A apresentação serviu para reforçar a minha teoria de que ainda não temos uma ferramenta madura o suficiente para nos permitir abstrair as linguagens nativas, visto a peculiaridade de cada uma. Os frameworks ajudam em muito os desenvolvedores, mas use com moderação.

Após um almoço rápido com Leonardo Meucci, companheiro de tecnologia na Telefonica Vivo foi a vez da primeira palestra do palco principal do dia. O convidado foi Kul Wadhwa, diretor da Wikimedia Foundation, cujo trabalho é divulgar o acesso livre à informação e cultura através da Wikipedia, a maior enciclopedia digital colaborativa da atualidade. Kul realiza um incrível trabalho de defender o livre acesso à informação, além de levar projetos para melhorar a usabilidade e potencializar o uso da ferramenta. Entre muitos temas, Kul destacou a importância do Brasil para a wikipedia (não apenas por ser casado com uma brasileira) como mercado modelo para o negócio da fundação, e inspirados em nosso país a wikimedia prepara a plataforma ayoudo que tem como objetivo permitir a ajuda coletiva com as mais diversas tarefas. Por fim Kul destacou a importancia das comunidades e das pessoas para resolveram os problemas da sociedade, citando o exemplo do blackout contra a lei SOPA, que fez com que a mesma fosse negada.

O começo da tarde foi marcada pela galera da Telefonica aqui na Campus Party. Maite Oliveira, WIlton Pereira e Izabel Nunes se juntaram a Leonardo Meucci e o campuseiro aqui para nos divertimos um pouco. Usamos e abusamos da área de games e simuladores!

 

 

Voltando ao mundo dos programadores, foi a vez da apresentação do sistema mobile que faltava: Windows Phone. A apresentação foi realizada pelo Bruno Sonnino, consultor Microsoft, e demonstrou como é simples e fácil desenvolver para Windows Phone 7. O sistema contém os mesmos controles já utilizados nas demais plataformas, além de outras funcionalidades muito interessantes que foram implementadas. Uma ótima notícia é a possibilidade de utilizar componentes criados no Silverlight com o windows phone. E como não podia ser diferente, o VIsual Studio demonstrou ser uma arma enorme na batalha dos sistemas operacionais.

A palestra principal da noite foi uma verdadeira lição de vida. No palco Ricardo Oliveira, que nasceu com uma doença neurológica que atrofia a medula espinhal e causa fraqueza nos músculos. Mas a doença não foi impeditivo para que ele pudesse alcançar seus objetivos. Com professores que vão até a sua casa alguns dias na semana e principalmente com a ajuda do pai que com um carrinho de mão leva Ricardo para fora de casa em Várzea Alegre, interior do Ceará, já que a rua de terra cheia de buracos não permite que se locomova com sua cadeira de rodas. Com todo esse esforço, Ricardo é atualmente quatro vez consecutivas campeão da olimpíada brasileira de matemática das escolas públicas. Realmente uma grande lição de vida e de superação. Dividindo o palco principal, Alex Bellos, jornalista e matemático inglês que viveu por 5 anos no Rio de Janeiro como correspondente para um jornal inglês mostrou a todos o impressionante mundo dos números, desde sua origem, passando pela Índia e a criação do número zero até as incríveis escolas de ábaco no Japão, onde crianças são capazes de fazer dezenas de cálculos em poucos minutos apenas olhando para os números.

O fim da Campus está cada vez mais próximo mas não se desesperem. Ainda tem muita água pra rolar!

Deixo aqui o vídeo da matéria do fantástico com Ricardo Oliveira, único palestrante da campus a ser aplaudido de pé!

Quarta agitada na Campus 2012

A semana já vai chegando em sua metade, mas parece que a energia da galera está longe de acabar. O dia mal começava e todos já estavam a mil, como se estivesse esvaziado as máquinas de energético da arena.

No começo da manhã decidi acompanhar a apresentação da microsoft do seu sistema Azure, projeto que consiste em um sistema operacional para gerenciar a nuvem, tecnologia que está na crista da onda. É definitivamente um produto extremamente importante, ainda mais se utilizado sob o uso da plataforma de desenvolvimento da microsoft. Porém um ponto que me chamou muito a atenção nesta apresentação foi quando mostraram a estrutura de datacenters da microsoft, que possui 3 grandes núcleos: América do Norte, Europa e Ásia. Apresentaram a estrutura utilizada pela empresa e mostraram fotos do que é chamado hoje de Computação por Container. Caso necessitem ampliar a capacidade dos seus datacenters, nada mais de ficar instalando fileiras e fileiras de servidores. Eles compram logo um container completo. Dentro destes containers estão todos os novos servidores e só precisam conectar 3 ítens ao container: energia, rede e água para resfriamento. Fantástico!

Em seguida foi a vez do painel sobre aplicativos para dispositivos móveis voltados aos cidadãos. Entre eles foi mostrado o Tarifa de Taxi para cálculo da tarifa em diversas cidades brasileiras, o app Paprika para realidade aumentada, My Fun City para engajamento social e por fim Rio App para promover a criação de aplicativos para ajudar as pessoas do Rio de janeiro utilizando bases de dados disponibilizados pelos orgãos públicos.

A palestra principal da tarde contou com a participação do vice presidente de negócios do SoundCloud, plataforma de rede social que permite o compartilhamento de áudio. Mostrou como o ser humano se relaciona com os diversos sons e como a combinação dos mesmos pode produzir diversos sentimentos que apenas imagens ou textos isolados não alcançariam.

Após a pausa para carregar as baterias acompanhei a palestra sobre metodologias de desenvolvimento ágil com foco no Team Foundation da microsoft. Foi conduzida por dois representantes da 2PC Brasil e mostrou uma incrível sincronia entre eles, apresentando os produtos, animando a platéias e demonstrando em tempo real. Ficou muito claro o poder de desenvolvimento quanto a produtividade dos pacotes da gigante dos sistemas operacionais.

Mais a tarde rolou uma palestra um pouco mais técnica, sobre a estrutura dos bancos de dados com foco no MySQL e como bancos relacionais e não relacionais armazenem e recuperam seus dados e como o programador deve olhar para isso no momento de desenvolver seus produtos.

 

Outra vez no palco agora com uma participação mais do que especial. Neil Harbisson foi considerado legalmente o primeiro Cyborg da humanidade, sendo considerada sua câmera para ver as cores como um membro do seu corpo. Neil nasceu com uma doença que o impede de ver as cores. Após muito desenvolvimento criaram um camera que converte as cores em freqüências audíveis que são transmitidas para seus ouvidos através dos ossos do seu crânio. Sua nomeação de cyborg lhe foi concedida quando concluíram que não se tratava apenas de um dispositivo mas sim uma extensão de seus membros uma vez que seu cérebro já interpretava as informações de som como parte de seus sentidos. Hoje ele coordena uma fundação que auxilia outras pessoas com necessidades semelhantes a melhorarem suas vidas.

A noite foi dedicada à criança do futuro: HTML5. Primeiramente um painel com os principais nomes no tema para um bate papo sobre o futuro da tecnologia web. A conversa entre outras pessoas contou com a participação de Chris Hofmann, um dos grandes colaboradores do já falecido Netscape e hoje do Mozilla Firefox. Na seqüência o mesmo realizou uma apresentação do HTML5 na prática, mostrando as principais funcionalidades desse que está se tornando um novo padrão para desenvolvimento. entre muitas perguntas que foram feitas se falou em num futuro não tão distante, o browser substituir o sistema operacional, principalmente nos dispositivos móveis. Entretanto para alcançar este nível ainda falta um longo caminho, que deve passar primeiramente na padronização das propriedades e comandos de todos os dispositivos existentes.

O que para uns parecia o final do dia, para outros significava apenas o começo da noite. Passava da meia noite e a agitação ainda era grande da arena. Dezenas de campuseiros vestidos de pijama faziam a festa. Criavam passeatas, carregavam cadeiras, tocavam cornetas. A festa era enorme. Jogos de tabuleiros davam lugar aos computadores e num dos palcos o animador da noite comandava uma homenagem ao grande cantor Wando, falecido nesta semana. E é assim que as coisas acontecem na Campus.

Aqui um pequeno vídeo da festa rolando solta na campus!

Resumo do segundo dia de Campus

Mais um dia começando no Anhembi. Acordando cedo para aproveitar ao máximo esse dia cheio de apresentações tão especiais. A noite até que foi tranquila, não fossem os milhares de campuseiros conectados e fazendo a festa noite a dentro. Para despertar nada melhor do que uma boa ducha. E parece que nesse ano alguns problemas de anos passados foram resolvidos. As instalações são excelentes. E para terminar um com café da manhã na área de Catering da Campus.

Era impressionante. A galera toda conectada como se a noite simplesmente não tivesse passado. Estavam todos ali, conectados e consumindo tudo o que este espaço pode lhes proporcionar.

A primeira palestra escolhida do dia foi a mesa sobre Gamificação do Mundo Corporativo onde foram apresentados e discutidos projetos que levam para dentro das empresas a paixão das pessoas pelos jogos e pela competição. Rodrigo Najjar apresentou seu trabalho para motivar a inovação e como os processos de jogos podem gerar novas idéias e produtos para as empresas. Cacau Guarnieri falou como as plataformas de jogos como por exemplo foursquare fazem com que as pessoas passem a serem verdadeiros fãs das empresas. Finalmente Leandro Montoya falou sobre como o ser-humano possui no seu instinto a necessidade de jogar. Também comentou sobre o caso do sumiço da estátua do Borba Gato como um grande jogo no estilo viral e como funcionou para promover uma exposição.

Seguindo minha veia de desenvolvedor participei da apresentação da plataforma de desenvolvimento da Telefonica Vivo Blue Via, que visa levar ao desenvolvedores a carta de clientes da empresa em todo o mundo e compartilhar com eles os ganhos. Um ponto forte da plataforma é a capacidade de conectar as apps dos desenvolvedores com as apis da plataforma e permitir que explorem a capacidade das empresas de telecomunicações, como por exemplo o serviço de SMS, que chega a todos os usuários de celulares.

A primeira grande palestra da Campus foi a apresentação do espanhol Andreu Veà, que trouxe a história vida da internet para as pessoas ali presentes. Ele entrevistou grandes nomes da tecnologia responsáveis pela criação de praticamente todos os serviços que utilizamos até hoje, além de desmitificar muitos mitos existentes sobre a internet, como por exemplo que teria sido criada para ser uma rede que suportasse uma suposta guerra.

Durante a tarde uma das minhas grandes expectativas era pela oficina sobre iOS, o que me deixou um pouco desapontado. Foram apresentados algumas melhorias feitas pela Apple no SDK, além de novos benefícios implementados pela versão 5. Entretanto tratou-se de uma palestra extremamente rápida, tanto que utilizou apenas metade do tempo previsto, não apresentados casos práticos da utilização da tecnologia que atrai a atenção de tantas pessoas. A impressão é de que ao contrário das plataformas abertas, a plataforma da Apple também possui pessoas fechadas quanto à disseminação do conhecimento.

Enquanto rolavam as palestras, São Paulo e por consequencia a Campus Party foram surpreendidas por uma chuva de verão típica desta época do ano.Foi o suficiente para painéis e paredes do evento caírem com a força dos fortes ventos. Mas para alguma coisa serviu: acabar com o calor sufocante que rolava pelo evento. Isto bastou mais uma vez para mostrar a força das redes sociais, pois instantaneamente as pessoas começaram a tuitar mensagens pedindo a mudança das próximas Campus para o mês de Março, a fim também de evitar o calor tão forte da cidade.

Em seguida, seguindo a linha das plataformas abertas, uma apresentação que me surpreendeu foi sobre Como Escalar Aplicações Desenvolvidas em PHP, onde foram apresentadas técnicas para melhorar o desempenho e a escalabilidade das aplicações PHP e principalmente técnicas para melhorar a utilização de seu banco de dados MySQL e seu servidor Apache, mostrando o quanto estas tecnologias evoluíram e não deixam nada a desejar aos grandes produtos proprietários.

Fechando com chave de ouro minha noite na Campus, rolou a surpreendente palestra com o professor e pesquisador indiano Sugata Mitra, defensor da teoria de que o computador e a internet podem substituir o modelo de ensino atual com os professores. Ele mostrou seu fantástico projeto Hole in the Wall, onde um computador foi instalado em uma parede de uma favela da índia, e crianças que nunca tiveram contacto com a tecnologia foram capazes de aprender sozinhas a manipular o equipamento. O projeto foi explorado e desenvolvido em outras partes da índia e do mundo e pode comprovar como o poder de incentivar as crianças a aprender sobre algo que lhes traz interesse pode ser o caminho para uma nova revolução na educação. Pretendo criar um post dedicado a este tema! Aguardem!

A primeira noite na Campus

A primeira noite da Campus Party 2012 foi marcada por muita música! Mas claro não deixando o tema principal de lado. A festa de abertura do evento contou com a banda Gameboys que contagiou toda a galera presente com muita nostalgia!

Trata-se de uma banda paulista que se especializou em covers das trilhas sonoras dos principais jogos dos consoles que marcaram a vida de muitas pessoas. Vou preparar um post especial para mostrar um pouco mais do trabalho do meninos!!!

Antes disso a festa contou com a participação das principais pessoas envolvidas na organização deste evento, assim como o presidente da Telefonica Vivo Antonio Carlos Valente. Um pouco antes do início do evento as principais luzes do evento foram apagadas, criando um clima de cinema com as centenas de telas e monitores dos mais diversos computadores e gadgets ligadas. Ao centro da arena se destacava o Ovni da telefonica com sua iluminação.

Foi um evento relativamente rápido, também marcado pelos gritos já característicos desta Campus: OOOOOOOOoooooOOOOOOOoooOOOOO.
Alguém começa com um grito que vai se repetindo por toda o espaço!

Após curtir e recordar essas músicas que estão tão presentes na mente de todos, só restou recuperar as forças para aguentar a maratona de conhecimento que está apenas por começar! E que venham os Palestrantes!!!

E para deixar um pouco de água na boca, um vídeo com um trecho da música de Street Fighter.